Calendário de Eventos Membros
Página Sifu Restrito Membros AWCA Calendário de Eventos Florentino Mídia (Livro) Livro do Sifu Florentino Galeria de Fotos

Antes de mais nada, gostaria de agradecer a lembrança do Instrutor de Wing Chun Aplicado Airson Junior e também dizer que me sinto honrado em participar das aulas ministradas por ele, todos os sábados no Bosque do Papa, em Curitiba, aliado à excelente turma de alunos, que me acolheram fraternalmente e de braços abertos, e que tem me ajudado muito, principalmente, no aspecto que diz respeito à qualidade de vida, que é a principal razão que me trouxe até as aulas de Wing Chun.

Impressões (Seminário AWCA Curitiba)

Por Douglas Monteiro

Iniciei essa empreitada há mais ou menos 2 anos, que para mim tornou-se o marco zero nas artes marciais.

Nessa época, eu cheguei a pesar 93 KG, pois levava uma vida muito sedentária, sem qualidade de vida, que me apresentou vários problemas de saúde, incluindo-se neles uma síndrome metabólica, que gerou um princípio de DIABETES do tipo II. Para enfrentar esse problema, iniciei uma extenuante maratona em academias de ginástica, que logo tornaram-se monótonas, levantando pesos, que me fizeram logo desistir, depois de passados seis meses, diante dessa situação de desinteresse. Pesquisei na internet e assim obtive uma indicação da academia de Kung fu, que fica no centro de Curitiba.

Já faz um ano e meio que pratico o estilo Shaolin do Norte, e daí em diante, só aumentou a minha necessidade de conhecer mais e mais sobre a cultura chinesa e os estilos de Kung Fu dela advindos.

Fiz um curso de três dias no interior de São Paulo e foi lá que me interessei pelo estilo Wing Chun. Mais uma vez a internet me indicou o curso que atualmente freqüento nessa modalidade. Confesso que treino pouco em casa, uma vez que não disponho de muito tempo. Claro que, se possível fosse, o faria todos os dias.

Percebo um aspecto interessante no fato de eu me tornar mais introspectivo, o que por vezes, cheguei a pensar ser isso, algo negativo, por outro lado, procuro desenvolver mais tolerância com as pessoas, por esse fato, já que a essência do pensamento oriental é a paciência.

O oriental não somente espera pelo resultado, mas, ao contrário, o sabe pacientemente esperá-lo. Quando se planta, sabe-se que, seguramente, no momento certo, um dia isso germinará. Mas é realmente aí, nesse aspecto, que sinto as maiores dificuldades no estilo Wing Chun. É a grande ansiedade que sinto em aprender a lutar, que penso ser o fator delimitante do aprendizado, pois como disse antes, é necessário tempo para se lapidar a pedra bruta, até o momento certo de abastá-la.

As dificuldades por mim experimentadas no seminário ministrado pelo SIFU FLORENTINO, diga-se de passagem, ministrados de maneira BRILHANTE, fizeram-me refletir, em um primeiro momento, acerca de quanto crítico e severo eu estava para comigo mesmo, em razão das dificuldades por mim experimentadas, principalmente, nas lutas simuladas dois a dois, deixando de lado, assim, uma das maiores virtudes chinesas, que é a PACIÊNCIA, pois o conhecimento marcial, pela quantidade de movimentos que não são poucos, exige treinar muito, uma vez que esses movimentos não são naturais, ou seja, não nascemos com essa espontaneidade natural do corpo para realizá-los. Atualmente atuo como Oficial de Justiça da Justiça do Trabalho, na cidade de Telêmaco Borba, no Paraná e passo a semana inteira por lá, ocasião em que, ainda, pratico lutas de Jiu Jistu, em média três vezes por semana. Em resumo, as artes marciais, principalmente com o KUNG FU representam para mim VIDA, pois hoje disponho de uma melhor saúde, perdendo cerca de 11 KG, e, assim, ela melhora dia a dia. 

Por fim, a escada na vida representa a subida, mas se ao meio dela, eu pisar nos degraus distraidamente poderei perder o equilíbrio e  cair. Percebe-se que a escada pode tanto me indicar uma subida como uma queda. Assim é a vida, a escada é a representação da vida e eu posso crescer nela, como posso optar pelo medo do crescimento e dos tombos, fazer a escolha de cruzar os braços, como por várias vezes pensei, e ficar a ver a subida daqueles que de fato foram fortes o suficiente para arriscar. Os degraus são como pausas, eles nos indicam que para chegar ao topo haverá varias pausas, e para começar sua subida é preciso de um degrau de inicio, pois a escada esta dividida em três partes, ou seja, COMEÇO, MEIO E FIM. Para  chegar ao meio é preciso iniciar, para chegar ao topo é preciso já ter percorrido metade do caminho.  

Um forte abraço!!!

Douglas Molina Monteiro